HaikyuHaikyuu!! (Anime)

[ANÁLISE/SPOILER: HAIKYUU!!] Karasuno vs Inarikazi: A batalha do crescimento.

EAÍ, GALERA DO ALL BLUE!

 

Galera, dessa vez, eu trago para vocês a minha análise sobre um anime/mangá que amo MUITO: Haikyuu. Especificamente, essa análise será sobre a partida mais recente do MANGÁ. Então, antes de começar de fato com a análise, é sempre bom avisar que teremos muito spoiler do mangá aqui, fiquem atentos. Caso você tenha assistido as três temporadas do anime de Haikyuu!! e não acompanhe o mangá, comece a ler em qualquer scan a partir do capítulo 190! Recomendo a leitura nesses locais: Mangá Host, Union Mangás, Central de Mangás e Mangás Project. Não conhece Haikyuu!? Então bora começar a assistir esse anime, porque ele é divino – e para os desavisados, trata-se de um anime/mangá de vôlei.

Vai ser um texto longo e com muitas imagens para complementar, eu fiz com muito amor e carinho, então espero que vocês gostem.

 

Algumas partidas de Haikyuu!! ganham nomes, devido a sua importância. Por exemplo, a batalha Karasuno VS Aobajohsai ganhou o nome “Gênio e Sentido”; e a batalha Karasuno VS Shiratorizawa ganhou o nome “batalha de conceitos”. Tomei a liberdade para nomear a batalha Karasuno VS Inarizaki como a batalha do crescimento, devido ao conceito de cada time sobre evolução. Inarizaki é um time que vive do presente, e uma das imagens, que vocês encontrarão no tópico, deixa isso bem claro. Eles não se importam se quase ganharam o Nacional do ano anterior e muito menos se são os favoritos do ano atual, o passado já não importa; “não guardamos lembranças” é o lema do time. Eles seguem cegamente em frente, não carregando bagagens, visando sempre o que eles podem fazer de novo no “hoje” para evoluírem. Enquanto isso, Karasuno é um time que está muito ligado ao passado, que usa de todas as maneiras as experiências já vividas. Não, isso não quer dizer que o time vive no passado, mas eles não o negam e nem se esquecem do que já aconteceu com eles. Diferente do Inarizaki, os corvos carregam suas bagagens, grandes e pesadas experiências, usando isso sempre ao seu favor. Basicamente, a grande diferença entre os times é “aprender com o passado e seguir em frente VS esquecer o passado e seguir em frente”. Sinceramente, não sei se há um certo e um errado, pois são ideologias diferentes. Pessoalmente, eu apoio a ideologia do Karasuno, nós aprendemos com as lições que já tivemos, independente se forem erros ou acertos. Enfim, é uma nova batalha de conceitos que Haikyuu abordou de maneira magnífica.

 

Talvez, para algumas pessoas, a descrição que fiz até agora sobre o jogo não tenha ficado clara, portanto, irei usar situações que aconteceram no jogo para provar minha argumentação. Começarei falando do Karasuno, pois eles tiveram mais destaque no conceito de crescimento. Repararam na quantidade de flashbacks que tivemos nessa partida? Em praticamente todos os capítulos havia pelo menos um quadrinho mostrando uma cena de algo que já aconteceu no mangá, basicamente, memórias. Obviamente, não irei falar de todas aqui, somente das mais impactantes. Coloquei algumas fotos sobre isso no tópico, deixando destacado momento do flashback, e em algumas eu mencionei o capítulo que elas aconteceram (para vocês terem noção, até o capítulo 4/episódio 3 foi mencionado na partida).

 

 

1. Hinata.

Nosso protagonista com certeza surpreendeu muito nesse jogo, e eu irei mencionar seus feitos mais importantes. No primeiro set Hinata brilhou como bloqueador, e ele inspirou-se em duas técnicas de diferentes adversários que o Karasuno já enfrentou. A primeira, vista na partida treino contra Nekoma (o commit-block, feito pelo Inouka, camisa 7 dos gatos) e a segunda, vista na partida contra Aobajohsai (o bloqueio de cruzados, feito pelo Matsukasa). Hinata misturou essas duas experiências, que um dia foram usadas contra ele, para fazer um grande feito para o time, além de evoluir suas próprias habilidades.

Mas o grande destaque do nosso camisa 10 foi no resultado de seu treinamento como gandula, que acarretou nas suas recepções maravilhosas. O impacto dessa evolução foi imenso, pois o Hinata do começo do mangá era apenas um baixinho que sabia pular e amava cortar a bola, além de ser alguém totalmente dependente do Kageyama. Agora, percebemos que ele passou a ser independente, alguém capaz de lutar tanto no ataque quanto na defesa a partir do próprio esforço e técnica. Claro, ainda falta muito chão para o camisa 10 andar, mas dá um baita orgulho se formos comparar o Hinata de antes com o de agora.

O Furudate-sensei foi muito sutil com essa evolução do Hinata, fora muito bem construída. Como eu disse antes, há muitas cenas de flashback no mangá, e várias dessas retomam ao início da história, apenas para explicar como ele foi capaz de realizar tal ato ou para apresentar a mudança que nosso protagonista sofreu.

Também sinto vontade de chorar, Suga.  

 

Antes de encerrar o tópico do Hinata, gostaria de deixar essa capa de um dos capítulos, que eu achei super interessante e pertinente ao modo como o Hinata desenvolve suas habilidades, chamei isso de ciclo do aprendizado. Foi basicamente desse jeito que o Hinata adquiriu todas as técnicas que ele apresentou nesse jogo: observando a pessoa, estudando o adversário, anotando mentalmente e pesquisando – sua memória.

 

 

2. Tanaka.

O nosso camisa 5 estava sofrendo no jogo por não ser “tão bom quanto os outros” jogadores. Entretanto, o Tanaka tem umas das qualidades mais importantes, que ele sempre mostrou ter durante toda a obra, mas que não dávamos tanta importância por ser algo tão trivial em um mangá shonen: ele nunca desiste. Parece ser uma coisa estúpida, pois vemos isso direto no Hinata, por exemplo, mas se tratando do Tanaka, que é considerado um jogador comum, essa é uma das qualidades mais importantes que ele poderia ter. Uma coisa que quase ninguém havia percebido, mas que finalmente fora mencionado nesse jogo: Tanaka foi o único membro do segundo ano que nunca saiu do time.

Além disso, ele sempre se manteve otimista e nunca se queixou de suas frustrações. Isso faz parte da personalidade do Tanaka, alguém medíocre que prefere evoluir de todas as maneiras possíveis com o que está no seu alcance ao invés de ficar se queixando e se lamentando. Caso alguém não tenha entendido a lembrança desse tópico: é basicamente o Tanaka durante todo o mangá.

 

Detalhe: Esse é o mesmo ataque do Bokuto

 

 

 

3. Kinoshita e Nishinoya.

A terceira grande evolução é compartilhada por dois personagens: Nishinoya e Kinoshita. O camisa 7 do Karasuno começou a ser explorado a pouquíssimo tempo na obra, logo as pessoas deixam de dar atenção para o personagem, o que é um grande erro. Ser reserva não significa que ele seja inútil, e isso ficou mais do que claro nesse jogo. Diferente do Tanaka, ele não é otimista, na verdade, Kinoshita tem um grande complexo de inferioridade. Como qualquer outro jogador ele se esforça para alcançar seus objetivos, no entanto, ele ainda não obteve seu momento de glória em jogos, e isso só faz com que ele se inferiorize ainda mais.

Novamente, isso não o torna inútil, ainda mais quando ele foi extremamente importante para o Nishinoya nesse jogo. Ninguém dúvida das habilidades do deus guardião do Karasuno, ele é um jogador incrível e sempre salvou o time em diversas ocasiões, entretanto, como qualquer outro jogador, Noya também tem dificuldades, e elas SEMPRE foram mostradas na obra: ele não é muito bom em receber saques flutuantes. Karasuno nunca havia enfrentando um time que fosse tão bom em questão de saques flutuantes até chegar na atual partida. Entretanto, Nishinoya tinha dificuldades em receber os saques que o Yamaguchi lançava, isso nos acampamentos e nos treinos do time, quando o camisa 12 ainda era inexperiente. A primeira vez que isso fora mostrado foi antes de começar as pré-eliminatórias de Miyagi, na época da segunda temporada. Além disso, antes do Nacional começar, Nishinoya também não conseguia receber os saques flutuantes do Kinoshita, durante os treinos com o mesmo. Isso porque Nishinoya criou um péssimo hábito, que era dar um passo para frente, cada vez que ele fosse receber um saque.

Também tivemos um flashback do Noya nessa partida, mostrando que ele fora um garotinho medroso na infância. A solução para toda a problemática era muito simples: pedir ajuda. E quem melhor para isso do que o próprio companheiro de treino em saques flutuantes!? E a coisa mais bela dessa cena foi quando o Nishinoya aponta para o Kinoshita, após conseguir, finalmente, receber o saque flutuante, como se ele dissesse “esse ponto é nosso!”. Ali, Nishinoya não somente superou uma barreira como também deu ao Kinoshita um de seus sonhados momentos heroicos, pois se o Nishinoya é o guardião do Karasuno, então o Kinoshita é o guardião do Noya. Pessoalmente, eu achei umas das passagens mais bonitas de Haikyuu.

 

4. Kageyama

A quarta grande evolução é do Kageyama, que mudou completamente seu modo de agir com seus companheiros, se tornando, verdadeiramente, um novo rei. Não é novidade o crescimento constante que do Kageyama, isso é escancarado na obra, não somente em habilidades, mas como personagem também. Apesar disso, ele recebeu duras críticas de outros jogadores durante o acampamento juvenil do Japão, e o que mais martelou na cabeça dele foi quando o Miya Atsumu o chamou de “Certinho” ou “Meia boca” – depende da tradução. No caso, criticando o Kageyama por ele sempre aceitar o que os outros pediam, seguindo cegamente instruções dos outros.

 

Nesse jogo, Kageyama mostrou sua evolução ao obrigar o Tsukishima a pular durante os lances –ele havia deixado claro que não iria ajustar os levantamentos para o nosso camisa 11 no amistoso contra Datekou- e também quando ele negou o pedido do Tanaka, o que acabou gerando num belíssimo ponto do nosso camisa 5.

 

Além de todos esses crescimentos, também tivemos uma maravilhosa evolução do Asahi, que cada vez mais mostra sua monstruosa presença como o Ace do Karasuno. Tsukishima foi outro personagem que surpreendeu demais, a diferença dele de agora para o antigo Tsukishima é gritante. Ele sempre fora calculista em seus bloqueios, mas foi surpreendente demais como ele tinha o Suna sobcontrole no último set, fora que ele também está se esforçando ao máximo pela equipe – prova disso foi ele correndo atrás da bola no capítulo 290, esticando-se ao máximo para não deixar a bola cair. Daichi sempre foi extremamente importante para o time, e não posso deixar de mencionar ele aqui, pois ele salvou o time MUITAS vezes durante a partida, além de provar para Kita, o capitão do Inarizaki, que ele era um capitão mais do que capaz de manter seus companheiros vivos no jogo, dando o máximo de auxilio para todos.

 

INARIZAKI

Eu pretendo ser muito mais breve nos comentários relacionados ao Inarizaki, pois, para mim, a ideologia deles está marcada no lema do time e também nos irmãos Miya. Os gêmeos deixaram claro que gostam de inovar e que sempre tentam fazer coisas novas. Não é a toa que eles testaram o ataque rápido KageHina diversas vezes e de maneiras diferentes, e o pior, fizeram isso muito bem. Uma das coisas que prova a ideologia deles no tempo presente é uma das frases mais usadas por eles: “o que faremos, hoje?”. Ou seja, eles copiam as armas que os outros times usam na mesma partida, devolvendo a habilidade na mesma moeda. Isso, obviamente, desestabiliza o adversário, que com certeza treinou muito para fazer tal jogada para ela ser copiada na cara dura.

O Inarizaki é representado por raposas, conhecidas por serem malandras, trapaceiras e traiçoeiras no japão. E o lema deles é o que prova isso: “não precisamos de lembranças”. Eles apenas se importam com o agora, com o hoje.

 

Mas, o genial da partida foi o modo como ela finalizou. Os mais atentos perceberam: foi uma analogia ao primeiro jogo de Karasuno VS Aobajohsai. O enquadramento, os balões de pensamentos e as técnicas utilizadas pelo Inarizaki foram as mesmas das do Karasuno naquele jogo. Kageyama e Hinata aprenderam que o seu ataque rápido não era uma arma invencível naquele jogo, pois mesmo que a velocidade seja algo incrível, ela tem suas falhas. Graças àquela derrota, que ficou marcada no coração de ambos, eles foram capazes de perceber o que iria acontecer naquele ataque rápido dos irmãos Miya, conseguindo bloquear perfeitamente o próprio ataque rápido deles e garantir a vitória para os corvos. Como eu disse em vários tópicos dessa análise, a partida foi carregada de lembranças por parte do Karasuno, pois eles trouxeram toda a bagagem das coisas que já enfrentaram durante o ano. Aceitar e aprender com o passado é algo extremamente importante, pois assim, os mesmos erros não irão se repetir duas vezes.

 

O jogo foi incrivelmente bem trabalho e muito emocionante, apesar das várias reclamações do fandom sobre o quão longa a partida estava se tornando. Eu, como fã dessa obra magnífica, estou muito orgulhosa dos corvos e muito contente com o resultado do jogo. E, para finalizar de vez a análise, eu também fiz análises técnicas sobre o jogo:

 

Ao total, tivemos 37 capítulos de jogo, e considerando que foi um jogo de 3 sets, foi uma partida muito extensa – a última partida contra Aobajohsai, por exemplo, teve 19 capítulos de duração e também foram de 3 sets. Além disso, para quem acompanha o lançamento semanal a partida se torna ainda mais massante, e isso cansa o pessoal. Entretanto, o jogo em si foi muito bem explorado e bem desenvolvido. O primeiro set durou do capítulo 249 até 264; O segundo set durou do final do capítulo 269 até o 275 (do capítulo 265 até o 268 tivemos a pausa para o Nekoma; eles também aparecem em quase todo o capítulo 269, e só voltamos a ver o jogo do Karasuno no final desse capítulo); E o terceiro set durou da metade do capítulo 275 até o 290. O jogo começou em 06 de abril de 2017 e acabou dia 16 de Fevereiro de 2018 (no Japão, acabou oficialmente dia 19 de fevereiro de 2018);

 

 

Enfim, galera, o que acharam da análise!? Deu um trabalhão para escrevê-la, então, se vocês puderem deixar um pequeno feedback eu ficaria MUITO feliz, nem que seja o básico “ótima análise”, haha. E, finalmente, teremos a tão sonhada batalha do lixão no Nacional! Estou muito empolgada por essa partida, e também pretendo escrever uma análise sobre ela assim que o jogo terminar. <3

 

“KARASUNOOOO: FIGHT!”.

6 anos de Haikyuu!!

 

Deixe seu comentário

Tags
Close